sábado, 22 de outubro de 2016

Influência da Idade do Gelo no nível do mar...

O nível do mar foi muito maior do que é nos dias atuais; anteriormente ao último período glacial, ou melhor dizendo, antes da Idade do Gelo (última Era dos gelo).

Para ser ter uma ideia, havia tanta água congelada nas geleiras que o nível do mar diminuiu em aproximadamente 120 metros (390 pés), em uma comparação, seria equivalente a altura de um prédio com 40 andares.

A verdade é que muito anteriormente a último período glacial, o nível do mar era bem maior tanto ou mais elevado que 70 metros (230 pés) do que é no dia de hoje.

Para um esclarecimento melhor, há locais hoje de terras, que costumavam ser muito abaixo das águas oceânicas.

Fonte:
https://www.nasa.gov
https://sites.google.com
https://translate.google.com.br

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Chuva de meteoros Orionídeas de outubro de 2016...

É uma chuva anual de meteoros dos rastros de detritos desfragmentados deixados pelo cometa Halley, que penetram na atmosfera terrestre em grande velocidade.

A chuva de meteoros Orionídeas, é um dos melhores eventos, em se tratando de chuva de meteoros, que possa vir a ser visualizado no hemisfério Sul, isso porque os meteoros se principiam em um local no céu do hemisfério Sul.

Para uma boa observação, é olhar para o lado leste no céu, após a meia noite até antes do amanhecer, entre os dias 20 a 24 do mês outubro, sendo que o maior pico, é esperado entre os dias 21 e 22 do mês de outubro, quando a Terra encontra a parte mais pesada de movimento contínuo dos detritos do cometa Halley.

Segundo especialistas, é esperado ser avistado de 10 a 20 meteoros por hora.

Pode ser observado a olho nu, mas é necessário você se afastar dos grandes centros e ir para um lugar escuro, ficando assim, longe da luminosidade artificial das grandes cidades.


quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Sobre a Era do gelo...

Períodos glaciais ou  Era do gelo, são fenômenos climáticos que aconteceram no decorrer da história do planeta Terra; onde a temperatura cai a um certo ponto que toda superfície terrestre é coberta por um manto de gelo, por um longo período de tempo.

Nosso planeta já passou por diversas Eras do gelo, e a última foi a Idade do Gelo, que ocorreu em aproximadamente 110.000 a 12.000 anos antes da atualidade, teve seu ápice há cerca de 22.000 anos, sendo substituída pelo aquecimento, já havia presença de seres humanos que seriam os Cro-Magnon (nome dado aos restos encontrados), o mais antigo Homo sapiens.

Os especialistas ainda não chegaram a uma conclusão definitiva, de o porquê da Terra ter esses períodos glaciais, mas a teoria mais aceita no meio científico é chamada de Ciclos de Milankovitch ou Ciclos Orbitais, que foi desenvolvida pelo engenheiro geofísico sérvio Milutin Milankovitch.

A teoria dos Ciclos de Milankovitch, são três fatores:

Excentricidade: mudanças na forma da órbita terrestre, Obliquidade: mudanças na inclinação do eixo de rotação da Terra e Precessão: oscilação no sentido do eixo de rotação.


Os animais e as Eras do gelo:

Houve extinções de animais nos períodos glaciais, poucos se adaptaram as mudanças climáticas, os que conseguiram seriam animais com penas (aves), animais aquáticos e os mamutes (peludo com tecido adiposo), mas é pensado que no fim da última era do gelo, os mamutes foram extintos. O homem consegue se adaptar as mudanças climáticas.

Fonte:
https://www.nasa.gov
https://sites.google.com
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

A Superlua...(fotos)

No dia 16 de outubro de 2016, aconteceu o fenômeno denominado Superlua, que é quando a Lua está na fase cheia e fica mais próxima do nosso planeta. Ela pôde ser observada a olho nu, pois ela chegou a estar em aproximadamente 14% maior e 30% mais brilhante.

Segundo especialistas, a Lua só voltará a ficar nesse nível de proximidade com a Terra, no ano de 2034.

Abaixo estão algumas fotos que registraram esse lindo evento.






Lembrando que nos dias, 14 de novembro e 14 de dezembro de 2016, haverá outra vez a Superlua.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Os continentes não eram como hoje...

Em aproximadamente 250 milhões de anos atrás, todos os continentes do nosso planeta, eram um só supercontinente denominado Pangea, no período da era Paleozoica, ele era circundado por um único oceano chamado de Oceano Pantalássico.

O supercontinente começou a se movimentar vagarosamente e a partir desse movimento houve a dispersão das terras e se originaram nos continentes atuais: América do Norte, América do Sul, África, Europa, Ásia, Austrália, e Antártica.

O interessante que Pangea não foi o primeiro supercontinente, pois anteriormente há cerca de 800 milhões de anos, todos os continentes também foram compelidos juntos, e o nome desse supercontinente anterior é Rodínia, se separando na era Neoproterozóica.

A movimentação dos continentes anteriormente a formação de Rodínia, é bem indefinida.

O movimento para a separação das terras, ou melhor dizendo dos continentes, foi devido aos impactos de placas tectônicas. Vale a pena lembrar que a movimentação e dispersão das terras, aconteceram muito lentamente.


Fonte:
https://www.nasa.gov
https://en.wikipedia.org
http://www.uol.com.br
https://translate.google.com.br

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Nave chinesa Shenzhou 11 foi lançada com sucesso...

A partir do centro de lançamento da base de Jiuquan, no deserto de Gobi, a nave espacial chinesa Shenzhou 11, foi lançada e a bordo estavam dois astronautas chineses, Jing Haipeng
e Chen Dong.

A nave espacial Shenzhou 11, levará dois dias para chegar a Estação Orbital Tiangong-2, que é um laboratório experimental espacial da República Popular da China.

No período de 30 dias que os astronautas Chen e Jin, estiverem a bordo do laboratório, irão trabalhar, realizando diversos experimentos científicos, nas áreas de biologia e botânica, e ainda farão reparos nos equipamentos.



Estação Orbital Tiangong-2:

É o substituto da Estação Orbital Tiangong-1, que foi colocada em órbita no ano de 2011, mas que a pouco tempo a China perdeu o controle da Tiangong-1, e assim, a sua reentrada na órbita terrestre é esperada para o próximo ano

Tiangong-2,  foi colocado em órbita em 15 de setembro de 2016 e está orbitando ao redor da Terra a uma altura de aproximadamente 333 km (207 milhas).

Fonte:
http://g1.globo.com
http://www.theverge.com
https://translate.google.com.br

domingo, 16 de outubro de 2016

Blog ZM. faz 2 anos...

                             Another year of Blog ZM.
                             I thank all who follow trusty to the blog.
                             And so we will continue together.
                             Thank you very much!!!

Hoje 16 de outubro tem Superlua!!!

A Lua vai estar em um ponto da órbita ao redor do nosso planeta, onde estará bem mais próxima da Terra (perigeu lunar).

A distância da Terra com a Lua é de aproximadamente 384.400 km, mas nessa noite é previsto que a distância será acerca de 358.000 km.

O melhor horário de observação da superlua, será  assim que ela se mostrar no horizonte, isso deverá acontecer por volta das 21h00.

Na fase cheia, é esperado que a Superlua venha aparentar estar maior e com um brilho mais intenso, devido a ilusão de ótica; desta forma irá dar um show de luminosidade e beleza.

A Superlua, poderá ser avistada a olho nu, não será necessário utilizar nenhum tipo de equipamento para poder observá-la.


Para os amantes da Lua que não puder ver esse evento da Superlua, não se preocupe, pois no dia 14 de novembro e no dia 14 de dezembro de 2016, esse fenômeno irá se repetir.

Fonte:
http://noticias.uol.com.br
http://www.abril.com.br

sábado, 15 de outubro de 2016

Mais um horário de verão...

A partir do dia 16 de outubro de 2016, inicia o horário de verão; os relógios devem ser adiantados em uma hora.

Quando for  00h00 do dia 16 de outubro, adiantar para 01h00.


O objetivo da mudança de horário, é de economizar energia, aproveitando ao máximo a luz solar. Com o horário de verão, a economia maior é principalmente nos horários de grande pico, que é entre às 18h00 e 21h00.

 Além do Distrito Federal, as regiões que devem adiantar os relógios em uma hora são:  Sul, Sudeste e Centro-Oeste, correspondentes aos seguintes estados:

- Santa Catarina
- Paraná
- Rio Grande do Sul
- Mato Grosso
- Mato Grosso do Sul
- Goiás
- Espírito Santo
- Rio de Janeiro
- Minas Gerais
- São Paulo.


No horário de verão de 2015 e 2016, houve uma economia de R$ 162 milhões, e nesse horário de verão de 2016 e 2017, o governo espera economizar aproximadamente R$ 147,5 milhões.

O período do horário de verão será até o dia 19 de fevereiro de 2017.

Fonte:
http://g1.globo.com
http://noticias.uol.com.br

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Por que a diminuição da rotação da Terra?...

Quando se fala na rotação da Terra, quer dizer o giro que o nosso planeta dá ao redor de si mesmo, ou seja, ao redor do seu próprio eixo, com uma duração aproximada de 24 horas, ou seja, 1 dia.

Há cerca de 4,6 bilhões de anos quando a Terra foi formada, um dia tinha aproximadamente 6 horas de duração.

De lá para cá, o nosso planeta está levando mais tempo para completar o seu giro, isso porque a Lua gira ao redor da Terra e é atraída pela força gravitacional do nosso planeta, assim como a Terra também é atraída pela força gravitacional da Lua, mas só que de forma mais branda, e assim se dá o puxão gravitacional, onde resulta nas marés, e desta forma, com o sobe e desce das marés, se origina uma força que diminui a velocidade da rotação da Terra.

A cada 100 anos o dia fica 0,0017 segundos a mais.

A velocidade:

Em regiões localizadas na linha do equador, a distância ao eixo de rotação é idêntico com o raio da Terra, sendo assim, a velocidade é maior que as áreas que estão acima ou abaixo do equador.

A velocidade de rotação do nosso planeta, é aproximadamente 1.675 km/h (1.041 mi/h), que corresponde acerca de 465 metros/s (508 jardas/s).

Fonte:
https://www.nasa.gov
http://postagenszm.blogspot.com.br
https://translate.google.com.br

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

A Terra e anomalias gravitacionais...

Se o nosso planeta fosse plano e perfeito, a gravidade terrestre não teria nenhuma diferença onde quer que seja.

Devido a Terra possuir relevos diferentes como montanhas, vales, oceanos e diversos recursos, há diferença de gravidade, que recebe o nome de anomalias gravitacionais, ou seja, variações de gravidade em determinados locais.

Segundo especialistas, grandes e fortes terremotos e tsunamis, podem vir a desfigurar o relevo e desta forma, pode causar anomalia gravitacional na região onde ocorreu esses fenômenos naturais.

A Nasa, através do satélite de Experimento de Recuperação de Clima e Gravidade (GRACE, sigla em inglês) que orbita o nosso planeta, faz o mapeamento e monitora a gravidade de toda superfície terrestre

Fonte:
https://www.nasa.gov
http://postagenszm.blogspot.com.br
https://translate.google.com.br

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Você conhece Cruithne?...

É o asteroide denominado Cruithne 3753, que foi descoberto no ano de 1986, e já foi muito referido como uma segunda lua da Terra, mas não é!


Cruithne, tem uma órbita um tanto quanto anormal sobre a da Terra, melhor dizendo, quasi-orbital.

Esse asteroide segue a Terra orbitando o Sol, mas sua órbita é um tanto diferente, é uma órbita em forma de ferradura; a visão dessa órbita a partir do nosso planeta, nos dá uma concepção de um formato de feijão, (Veja na animação abaixo).

                                             (Reprodução de animação: Wikipédia)
                                 
Quanto ao seu movimento nada convencional, se torna estável e impede que ele colide com a Terra; é previsto por simulação, que ele poderá ser atraído para a orbita terrestre e vir a se tornar uma segunda lua.

Uma grande perspectiva é que Cruithne, seja um lugar em que os seres humanos possam um dia pousar e explorar materiais para estudos, para compreensão da formação do Sistema Solar e consequentemente do nosso planeta.

Fonte:
https://www.nasa.gov
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Satélites miniaturizados observando Raio-X do Sol...

No dia 16 de maio de 2016 a partir da Estação Espacial Internacional (EEI), o astronauta britânico Tim Peake, que fez parte das Expedições 46 e 47 a bordo da EEI, capturou imagens da colocação dos satélites miniaturizados MinXSS CubeSat.


Esses satélites, irão observar emissões originárias do Sol, como o Raio-x flexível do Sol, que pode causar agitação na ionosfera, e assim afetar os meios de comunicações como por  exemplo os sinais de rádios e de GPS.

Essa observação é feita pela Nasa e terá um período de 12 meses; será de grande auxilio aos especialistas, na compreensão da física por trás das erupções solares.

MinXSS, teve seu lançamento para EEI, através do programa Iniciativa de Lançamento NASA CubeSat, no dia 6 de dezembro de 2015, a bordo de nave espacial não tripulada Cygnus, da Orbital ATK.

A animação abaixo foi uma reunião das imagens capturadas pelo astronauta.

                                                 Crédito de animação: Nasa
Fonte:
www.nasa.gov
https://www.youtube.com
https://translate.google.com.br

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Rastros das estrelas...

A partir da Estação Espacial Internacional (EEI), uma imagem foi capturada no dia 03 de outubro de 2016 pela Expedição 49.

Conforme a EEI, orbita o nosso planeta em uma velocidade de 28.163 km/ h (17.500 milhas/h), essa intrigante imagem foi capturada e recebeu o nome de  "Rastros das estrelas".

Lembrando que a EEI, leva 90 minutos para orbitar o nosso planeta, e sendo assim, os astronautas e cosmonautas a bordo da Estação, avistam 16 amanheceres e entardeceres cada 24 horas.

Fonte:
https://www.nasa.gov
https://translate.google.com.br

domingo, 9 de outubro de 2016

Traje espacial...

É uma vestimenta feita especialmente para o ser humano quando está no espaço, aliás é mais que uma roupa, pode se dizer que é uma pequena nave, que serve de proteção para os perigos que podem ocorrer lá fora, no espaço.


O traje espacial:

- Protege o ser humano das temperaturas, que podem estar ou muito quentes ou muito frias

- Fornece oxigênio para a respiração, e assim mantendo o equilíbrio da pressão sanguínea e a consciência

- Proteção quanto a poeira espacial, que podem machucar, pois quando elas vem com rapidez, adquirem uma velocidade mais rápida que uma bala disparada, e isso pode causar danos físicos

- E a proteção contra a luz solar brilhante, onde é usado viseira especial forrada em ouro.


No traje espacial há muitas divisões:

- cobertura do peito

- cobertura dos braços que se interliga com as luvas

- capacete que serve de proteção para a cabeça

- cobertura das pernas e os pés.


 Algumas divisões são produzidas com diversas camadas, que exercem um papel diferente:

- mantêm o oxigênio

- serve de proteção quanto ao impacto com a poeira espacial.


As camada são produzidas com os seguintes materiais:

- nylon: fibra sintética  leve e possui baixa absorção de umidade

- elastano tecidos elásticos que proporciona grande elasticidade (flexibilidade)

- borracha: substância elástica e impermeável

- poliéster: resinas sintéticas que proporciona  elasticidade 

- filme de poliéster:  bloquea gases e mantém a temperatura e na cobertura de superfícies como proteção.


Além do traje espacial:

- vestimenta que fica em contato direto com o corpo, menos a cabeça, mãos e pés

- tubos costurados nessa vestimenta, que servem como condutores de água, que exercem a função de refrigeração

- cabos que fazem a ligação da nave com quem sai para fora no espaço


A mochila nas costas do traje espacial:

- tem serventia muito importante, pois lá há o oxigênio para a respiração e a retirada do dióxido de carbono da respiração. (a respiração é fundamental para o ser humano, sendo responsável pela troca do oxigênio e dióxido de carbono do organismo).

- há um sistema de eletricidade que é fornecido para o traje espacial

- possui um ventilador que movimenta o oxigênio pelo traje espacial

- um tanque de água, que preserva água de arrefecimento (controla a temperatura).


O capacete:

- Câmera

- Luzes

- microfone para comunicação.


Ferramenta chamada SAFER:

- é um instrumento preso ao redor do traje espacial que tem vários jatos alimentados com nitrogênio que garantem pequenas propulsões, ou seja, se um ser humano ao sair para fora (ao espaço) e por algum motivo de desprender e sair flutuando, esses pequenos propulsores dão garantia de um retorno a nave.


Dentro da nave espacial:

Na nave há oxigênio, pressurização e temperatura ambiente, desta forma as vestimentas podem ser normais, assim como usamos diariamente no nosso planeta.


Sem a devida proteção no vácuo do espaço:

- perda da consciência em aproximadamente 15 segundos devido a falta de oxigênio no cérebro

- os órgãos parariam de funcionar há cerca de dois minutos, levando ao óbito.



Traje espacial diferente para lançamento e reentrada:

- vestimenta pressurizada

- cor laranja (facilitar identificação)

- possui: aparelho de comunicação, capacete, botas, luvas, paraquedas e salva-vida inflável.


Um novo traje espacial projetado pala Nasa:

- denominado Z-1 (sem data para o lançamento)

- mais conforto, mais agilidade e versatilidade

- pesa aproximadamente 75 kg.




Curiosidade:

- a cor branca do traje espacial, serve para refletir a luz solar (não retém o calor)

-  o branco dá mais evidência na escuridão

- entre o vestuário e equipamentos, o traje espacial chega a pesar aproximadamente 130 kg

- o traje espacial foi criado na década de 1930

- Após testes, o traje espacial Z-1, serviu para melhorias e desenvolvimento para o próximo que será o Z-2.

Fonte:
https://www.nasa.gov
https://en.wikipedia.org
https://translate.google.com.br
https://www.google.com.br

sábado, 8 de outubro de 2016

Furacão Matthew - hoje...

O furacão passa pela costa da Geórgia e segue seu rumo à costa da Carolina do Sul e estará próximo à costa da Carolina do Norte até essa noite.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) reclassificou o furacão de categoria 4 à categoria 1 (furacões são divididos em uma escala de cinco categorias, denominadas de Saffir-Simpson); apesar de seu declínio, Matthew irá permanecer como um furacão ao longo de 48 horas, enquanto o centro estiver atingindo a costa da Geórgia e a costa da Carolina do Sul.

Os ventos fortes do centro desenvolvem para fora aproximadamente 75 km (45 milhas), e os ventos intensos com potência de tempestade tropical, desenvolvem para fora acerca de 295 km (185 milhas).

A estação meteorológica particular da cidade de Folly Beach que fica na Carolina do Sul, comunicou que na manhã do dia de hoje (8 de outubro de 2016) às 8h00 EDT, rajadas de ventos que chegaram a 122 kph (76 mph), no interior da Carolina do Sul, ventos intensos estão presentes e que a cidade de Orangeburg, na Carolina do Sul, foi atingida por uma rajada de vento que chegou a 89 kph (55 mph).

Há pouco, foi relatado por uma avião de reconhecimento da Força Aérea, que a pressão central mínima foi de 962 milibares (pressão barométrica ou atmosférica: pressão atmosférica é o peso que o ar exerce à superfície da Terra).

Na imagem abaixo, o furacão Matthew no decorrer da costa sudeste dos Estados Unidos. A imagem foi capturado por satélite NOAA GOES-Leste às 7:45 am EDT (8 de outubro de 2016).


O satélite NASA-NOAA Suomi NPP com seu instrumento VIIRS (a bordo do satélite), capturou a imagem abaixo com seu infravermelho do furacão Matthew, e mostrando assim, fortes tempestades circundando o olho as altas nuvens, com temperaturas tão frias que chegam a menos 27ºC (80 F), apresentadas em amarelo.


Fonte:
http://www.nasa.gov
https://www.google.com.br
https://translate.google.com.br

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Caminhos e canais...(citação - livro)

"As irradiações dos astros formam somente os caminhos e os canais através dos quais tudo o que é vivo na matéria fina pode chegar mais concentradamente a uma alma humana, a fim de ali se efetivar". 
Citação do livro: Mensagem do Graal de Abdrushin


Oskar Ernst Bernhardt, mas é conhecido pelo pseudônimo de Abdrushin (1875 -  1941). Foi um escritor alemão e autor do livro Na Luz da Verdade - Mensagem do Graal, em português e no original em alemão: Im Lichte der Wahrheit - Gralsbotschaft.

Fonte\;
http://alchetron.com
http://www.br.abdrushin.name
https://translate.google.com.br

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Dia 7 de outubro tem a chuva de meteoros Draconids...

No dia 07 de setembro de 2016, acontece mais um evento astronômico, a chuva de meteoros Draconids, do cometa 21P Giacobini-Zinne.

A chuva recebe esse nome devido o aparente local de origem de seus meteoros, ou seja, o radiante no céu, no hemisfério celeste visível ao norte na cabeça de Draco (constelação do Dragão), próxima das estrelas Eltanin e Rastaban.


Para você observar essa chuva de meteoros Draconids, não é necessário localizar Draco, pois os meteoros caem em todas as direções do céu, mas geralmente essa chuva apresenta poucos meteoros por hora (nem sempre foi assim*).

Ao contrário de outras chuvas de meteoros que é observável antes do amanhecer, a Draconids é visível ao anoitecer, porque a cabeça de Draco fica mais alto no céu.

Então que está no hemisfério sul, fique atento logo ao anoitecer, nos dias 7 e 8 de outubro, sem grande expectativa.

O maior favorecimento para ser avistada essa chuva de meteoros, é de quem estiver nos  EUA, Canadá, Europa e norte da Ásia.

Se sua pretensão é mesmo observar a chuva de meteoros Draconids, basta ir longe de poluição de luz, pois quanto mais longe das luzes artificiais, melhor. Deitar-se ao chão com os pés virados ao norte ou noroeste e ficar olhando para o céu.

A claridade da Lua, possivelmente irá diminuir a visibilidade de meteoros dessa chuva.

É esperado que o maior pico dessa chuva de meteoros, seja no dia 07 de outubro.

Origem do nome do cometa, da chuva Draconids:

No ano de 1900, o astrônomo francês Michel Giacobini, descobriu  o cometa 21P Giacobini, mais tarde no ano de 1913, o astrônomo alemão Ernst Zinner, tornou a avistar o cometa, e assim foi acrescentado seu nome no cometa, que passou a ser denominado 21P Giacobini-Zinne.

O cometa 21P Giacobini-Zinne:

- É um cometa do Sistema Solar, e tem um período orbital de aproximadamente de 6,6 anos

- Ele é por volta de seis vezes mais afastado em seu ponto mais distante do Sol do que no seu ponto mais próximo

- No afélio (seu ponto mais distante), é mais longe do que o planeta Júpiter

- No periélio (seu ponto mais próximo do Sol), é acima a distância da Terra em relação ao Sol

- E é creditado que o núcleo do cometa possui aproximadamente  2 km de diâmetro

*Nem sempre a chuva de meteoros Draconids foi fraca, veja abaixo:

- Nos anos de 1933 e 1946, foram avistados milhares de meteoros caindo por hora

- No mês de outubro de 2011, o mundo todos observou 600 meteoros caindo por hora


Esclarecimento: essa chuva de meteoro é chamada de Draconids, assim como de Giacobinids.

Esse anos de 2016, a chuva de meteoro, vai ser menos intensa, segundo os especialista, mas como tudo pode acontecer, quem sabe somos surpreendidos por uma chuva bem intensa enfeitando o nosso céu!!!

Fonte:
http://earthsky.org
http://www.ebc.com.br
https://pt.wikipedia.org
https://www.youtube.com
https://translate.google.com.br

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Em caso de um tornado...

O tornado é o mais intenso dos ciclones; ele se forma a partir da base de uma tempestade, seu diâmetro raramente passa de 2 km e sua duração é tipicamente menor de 10 a 15 minutos, mas seus ventos podem ultrapassar de 500 km/h, o tornado tem um poder de destruição enorme, deixando um rastro devastador.

E o que fazer quando há um tornado?

Antes de mais nada, você precisa identificar se é um tornado, então você precisa observar:

- O céu escurecendo, com uma cor acinzentada para preta

- Se há um silêncio anormal e tranquilo, que acontece posteriormente a uma tempestade

- Movimento rápido das nuvens de forma rotacional, se dirigindo para uma determinada área do céu

- Um barulho muito forte ou um estrondo, dando a impressão de um som de trovão ininterrupto

- Resíduos, como galhos e folhas rodopiando próximo ao chão ou caindo do céu

- Um formato bem evidente de funil das nuvens, ou os resíduos sendo içados para cima, sem visibilidade de um funil das nuvens.

Em caso de confirmação, você precisa se proteger:

- O melhor que se tem a fazer, é ir para um subsolo ou um porão, na ausência desses lugares ficar em um corredor, embaixo de mesa ou escada, se proteger com um colchão e sempre longe de janela  por causa das resíduos trazidos pelos ventos fortes

- Lugares com construção de alvenaria,

- Nunca ficar perto de árvores

- Nunca sair correndo da tempestade

- Se estiver no carro, colocar o cinto de segurança e ficar o máximo possível protegido

- Se haver nenhum lugar para se abrigar, deitar no chão e proteger a cabeça

* Se estiver em sua casa, nunca esquecer de desligar a energia elétrica e desligar o gás.

O que você deve manter com você por precaução:

- Um kit de primeiros socorros, caso venha se machucar

- Lanterna e pilhas (um estoque de pilhas)

- Um rádio a pilha (saber o que as autoridades responsáveis estão recomendando)

- Alimentação, que não seja necessário ficar na geladeira

- Galões de água

- Dinheiro em notas, caso seja necessário comprar algo e a máquina do cartão não esteja funcionando, ou o caixa eletrônico com problema.

Observação:

Sempre procurar saber informações a respeito do tornado, antes e depois, através dos meios de comunicações.

Quando passar o tornado, não sair logo em seguida, esperar um tempo até que se tenha certeza que o perigo já passou.

Fonte:
http://www.redcross.org
http://postagenszm.blogspot.com.br
http://blink.ucsd.edu
https://translate.google.com.br

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Ponto de vista...(frase)

"Muitas das verdades que temos dependem do nosso ponto de vista". Mestre Yoda
Essa frase é do personagem fictício Mestre Yoda, no mundo de Star Wars (filme) que tem como criador, George Lucas.
No filme Mestre Yoda, é um sábio mestre que liderou por anos o conselho Jedi.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Um impacto em solo lunar...

No dia 11 de setembro de 2013, o professor espanhol José María Madiedo, da  Universidade de Huelva, na Espanha, observou e gravou um impacto de um asteroide em solo lunar.

O asteroide tinha aproximadamente 60 cm, com um diâmetro cerca de 1,40 metros e pesando em torno de 400 kg .

No impacto com a superfície da Lua, a velocidade do asteroide era de aproximadamente 60.000 km/h.

O asteroide ao se chocar com a superfície lunar em uma área denominada Mare Nubium (antiga cratera de lava solidificada), se desfez por completo em instantes, dando origem a uma cratera com aproximadamente 40 metros de diâmetro.


O impacto ocasionou um grande clarão que teve 8 segundos de duração, e de acordo a revista britânica The Royal Astronomical Society, a luminosidade do clarão na hora do impacto pode ser comparado com a estrela Polar, foi por esse motivo, que esse evento pôde ser avistado a partir da Terra, sendo desnecessário o uso de telescópio.

Segundo especialistas na época, "o mais longo e intenso que se observou até agora".

José María Madiedo, disse "Nesse momento fui consciente de que acabava de ser testemunha de um acontecimento extraordinário".

Para se ter uma ideia, o impacto foi tão forte, que é pensado que chegou a ser semelhante a detonação de umas 15 toneladas de TNT.

Fonte:
http://brasil.elpais.com
https://es.wikipedia.org
http://noticias.uol.com.br

domingo, 2 de outubro de 2016

A missão Rosetta chega ao seu final...

Após uma viagem de mais de dez anos a partir do seu lançamento na Guina Francesa; no dia 30 de setembro de 2016, a missão chegou ao seu final.


A resolução de encerrar a missão na superfície do cometa, foi pelo fato que Rosetta e o cometa iriam se mover além da órbita do planeta Júpiter outra vez, mais distante do Sol, do que Rosetta já tinha ido anteriormente, e não havia mais energia suficiente para continuar seu propósito.

E com a decisão tomada, Rosetta foi programada para um pouso forçado sem grande impacto na superfície do cometa, e sendo assim, a sonda encerrou sua transmissão às 11:19 GMT, e no horário de Brasília em torno das 8h00.

                                                          Animação: ESA

O gerente da missão, Patrick Martin da Esa disse, "Eu posso anunciar  o completo sucesso dessa descida histórica de Rosetta em direção ao Cometa 67P".

Em sua descida Rosetta ainda transmitiu dados e capturou imagens, através da câmera grande angular OSIRIS , que estava a bordo da sonda. A imagem que você pode observar abaixo, é de uma altitude de aproximadamente 20 metros (66 pés), pouco antes do impacto.


O diretor geral da Agência Espacial Europeia (ESA), Johann-Dietrich Wörner, falou "Rosetta entrou nos livros de história, mais uma vez" e continuou... "Hoje celebramos o sucesso de uma missão para mudar o jogo, que superou todos os nossos sonhos e expectativas, e que continua o legado de "primeiros"em cometas da ESA".

Objetivo da missão, é descobrir a origem e a evolução do Sistema Solar, pois o cometa tem materiais mais primitivos e podem comprovar a tese de que os cometas foram fundamentais para o surgimento de vida na Terra. E tem por expectativa esclarecimentos sobre a formação do universo.

Segundo os cientistas, todos os registros colhidos do cometa nesses últimos 2 anos dessa missão, ainda haverá muito o que ser estudado por décadas.

Sobre a missão, clique nos links:
http://postagenszm.blogspot.com.br/2014/11/missao-rosetta.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2014/12/continua-ainda-o-misterio-da-agua.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2016/04/imagem-em-alta-resolucao-do-cometa-67p.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2015/08/rosetta-e-o-cometa.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2015/11/molecula-de-oxigenio-encontrada-pela.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2015/08/sonda-rosetta-vai-perto-do-sol-no-cometa.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2016/01/philae-nao-da-sinal-de-vida.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2015/11/jatos-da-superficie-do-cometa.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2015/07/rosetta-detecta-pontos-e-buracos-de.html
http://postagenszm.blogspot.com.br/2015/12/nova-imagem-do-cometa-67p-churyumov.html

Fonte:
http://rosetta.esa.int
http://www.nasa.gov
http://postagenszm.blogspot.com.br
https://translate.google.com.br

sábado, 1 de outubro de 2016

Aglomerado estelar das Plêiades...

Também conhecido como Sete Irmãs e M45, é um aglomerado aberto de estrelas, que pode ser observado no hemisfério norte, fica a uma distância do nosso planeta em aproximadamente 400 anos-luz, rumo a constelação do Touro.

É acreditado que seja o aglomerado de estrelas mais famoso e conhecido no céu; pois pode ser avistado a olho nu, sem a necessidade de uso de binóculos e até mesmo pode ser visto estando em uma cidade com poluição luminosa.

Esse aglomerado, é composto de diversas estrelas brilhantes e quentes, que foram geradas simultaneamente no interior de uma grande nuvem de poeira interestelar e gás.

A névoa azul presente, é pelo fato da poeira fina ainda se manter, e assim, favorecendo o reflexo azul da luz das estrelas.

Na observação:

A versão mais atual, é que a olho nu se observa apenas seis estrela, pois uma delas, sendo uma das mais brilhante desaparece no aglomerado. Na verdade é que a quantidade de Plêiades visíveis, pode ser em torno de até sete, mas isso vai depender do local onde está o observador, ou seja, da escuridão do céu ao seu redor e também se a visão do observador for boa.

A imagem abaixo, levou mais de 12 horas para ser capturada.

Fonte:
https://www.nasa.gov
http://postagenszm.blogspot.com.br
https://translate.google.com.br