domingo, 31 de janeiro de 2016

Pólos celestes...

São dois pontos imaginários, onde a projeção do eixo da rotação da Terra, cruza com a esfera celestial ou esfera celeste.

O polo sul celeste, é a projeção do polo sul geográfico sobre a esfera celeste, assim como, polo norte celeste, é a projeção do polo norte geográfico sobre a esfera celeste.

Em virtude da rotação diária da Terra sobre o seu eixo, a esfera celeste parece girar cotidianamente de leste a oeste, e as estrelas parecem seguir rumos circulares ao redor dos pólos celestes.


Eixo:
É uma linha de referência imaginária traçada através de um objeto.

Esfera celeste:
Empregada para referir a posição de objetos no céu; é uma esfera hipotética, centralizada na Terra, sobre o qual todos os corpos celestes podem ser projetados.

Estrela:
Corpo celeste que gera sua própria energia, ou seja, produz sua luz e calor próprio, e permanece praticamente nos mesmos lugares correspondente na esfera celestial, ou seja, praticamente não se consegue perceber seu deslocamento quando observado da Terra.
O nosso astro rei, o Sol, é uma estrela.

Nascimento da estrelas:
As estrelas em geral nascem em uma região conhecida como berçário estelar, a partir das Nebulosas constituídas por gases, poeiras e partículas sólida.

Morte das estrelas:
Elas não duram para sempre, elas nascem, evoluem e morrem. Esse mesmo processo ocorre com o Sol, por ser uma estrela.
Terminam a vida esfriando lentamente.


Fonte:
http://astronomy.swin.edu.au
https://www.google.com.br
https://postagenszm.blogspot.com.br
https://translate.google.com.br

sábado, 30 de janeiro de 2016

Os Alpes na captura de imagem a partir da EEI...

No dia 27 de dezembro de 2015, o astronauta britânico, da expedição 46 e engenheiro de voo Tim Peake, da Agência Espacial Européia (ESA), e integrante da tripulação que está a bordo da Estação Espacial Internacional (EEI), capturou uma imagem dos Alpes, do seu ponto de vista, a partir da EEI.

Logo depois de capturar a imagem, Tim Peake, divulgou  a imagem em uma mídia social para seus seguidores, com os seguintes dizeres:

" Pode não haver muita neve nos Alpes no inverno, mas eles ainda são deslumbrantes com um olhar a partir daqui! #Principia ".

Os Alpes:

São um conjunto de montanhas (cordilheira) que estão localizado na Europa, e seu começo é na cidade italiana de Gênova, e o seu término é na região do rio Danúbio, perto de Viena (Áustria).

O ponto mais elevado dos Alpes é o Monte Branco (Mont Blanc), com aproximadamente 4.810 m (15.780 pés) de altura. 

A altitude média dos Alpes é a cerca de 2.000 a 3.000 m (6.561 a 9.842 pés),  a cordilheira em si, possui aproximadamente uma área de 298.128 km² (185.248 mi²).

Os Alpes são divididos em Alpes Ocidentais, Alpes Centrais e Alpes Orientais.

- Alpes Ocidentais: são mais elevados, mas sua cordilheira central é mais curta e curvada; situam-se na Itália, França, Mônaco e Suíça, a partir do mar Mediterrâneo ao maciço do Monte Branco.

- Alpes Centrais: abrange o Vale de Aosta (noroeste da Itália) até Brenneroe (região do Trentino - Alto Ádige, província de Bolzano - comuna italiana). 

- Alpes Orientais abrange o Brennero (região do Trentino - Alto Ádige, província de Bolzano - comuna italiana) até à Eslovênia (pequeno país do Leste Europeu). Os Alpes Orientais, possuem cernes mais alongados e largos, e seus domínios são: da Áustria, Alemanha, Itália, Liechtenstein, Eslovênia e Suíça (Arco Alpino).

Há uma organização especial para a proteção dos Alpes, denominada Convenção Alpina, que é um acordo territorial internacional que visa garantir o desenvolvimento sustentável da região dos Alpes. Composta pela União Européia e pelos oito países da região: Áustria, Alemanha, Itália, Liechtenstein, Mônaco, Eslovênia, França e Suíça; entrou em vigor a partir do ano de 1995.

O Alpes, são regiões muito exploradas pelo turismo, possuindo várias estações de esqui e também a prática de alpinismo nas montanhas.

Fonte:
https://www.nasa.gov
https://pt.wikipedia.org
http://www.suapesquisa.com
https://translate.google.com.br

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Marte e o labirinto da noite...

É uma região denominada como Noctis Labyrinthus, ou "labirinto da noite", no planeta Marte.

Esta área está situada no extremo ocidental do Valles Marineris, melhor dizendo, está entre o Valles Marineris e o planalto de Tharsis, no quadrângulo de Phoenicis Lacus (*).

A região de Noctis Labyrinthus, tem uma complexa história, sendo um vasto labirinto de vales alongados e cânions, fraturas, planícies, dunas e formações por falhas geológicas.

Os vales e cânions, foram formados por falhas geológicas, cuja a maioria possui o aspecto de fossa tectônica, com a superfície sem diferença de níveis da elevação conservada no leito do vale, em uns lugares os leitos dos vales são mais acidentados, devido aos deslizamentos de terra, já e em outros lugares, o solo aparenta ter se deteriorado em fraturas.

Nos planaltos aos redores, os campos de dunas que se formaram sobre essa superfície, são originados pelas poeiras trazidas pelo vento.


(*) O quadrângulo de Phoenicis Lacus:
São 30 quadrângulos em Marte, definido pelo Programa de Pesquisa de Astrogeologia do Serviço Geológico dos Estados Unidos, (USGS sigla em inglês). Também podendo se referir ao quadrângulo de Phoenicis Lacus como MC-17 (Mars Chart-17).

Fontes:
http://www.esa.int
http://www.jpl.nasa.gov
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Drácula - A história nunca contada... (frase)

"O tempo sempre é curto demais para quem precisa dele".    
(Drácula - A história nunca contada)



Filme: Dracula Untold - Drácula: A História Nunca Contada

É um filme americano, baseado na novela Drácula, de Bram Stoker.

Lançamento: 2014

Direção: Gary Shore, Andy Cockrum

Protagonistas: Luke Evans (Vlad Tepes) e Sarah Gadon (Mirena)

Fonte:
https://pt.wikipedia.org

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Galáxia mais luminosa do universo...

A galáxia W2246-0526, é considerada a galáxia mais luminosa do universo, e está em uma distância de aproximadamente 12,4 bilhões de anos-luz da Terra.

Conforme uma pesquisa publicada em 2015, a galáxia W2246-0526, com base em dados do Infrared Survey Explorer (WISE), da Nasa. Isso significa que ela tem a maior potência de saída de energia de qualquer galáxia no universo, e seu brilho, parece o mais brilhantes de todas as galáxias que estavam à mesma distância de nós.

Essa galáxia, possui um buraco negro massivo em seu centro, que está a engolindo vorazmente, e essa agitação gera tanta energia, que ativa gás em toda a galáxia.

"É como uma panela de água fervente sendo aquecido por um reator nuclear no centro", falou Tanio Diaz-Santos da Universidade Diego Portales, em Santiago (Chile), que é o principal autor de um novo estudo sobre essa galáxia.

Segundo o novo estudo publicado pela revista Astrophysical Journal Letters, diz que essa galáxia está expelindo tanto gás espantosamente turbulento, que nunca foi visto um fenômeno desta forma em um objeto com esse perfil.

"Esta galáxia está se despedaçando em si. O momento e energia das partículas de luz depositados no gás são tão enormes, que eles estão empurrando o gás para fora em todas as direções". falou  Roberto Assef, astrônomo da Universidade Diego Portales e líder da equipe de observação no Atacama Large Millimeter Array (ALMA - rádio-observatório ), no Chile.
 
É acreditado que o buraco negro, seja menor que a galáxia W2246-0526, em um milhão de vezes, mas a energia liberada pelo fato de estar engolindo a galáxia, está desprendendo gazes, que podem chegar anos-luz longe dele.

Conforme a força gravitacional do buraco negro atrai gás ao redor e outras matérias, o material forma uma estrutura em torno dele chamou um disco de acreção (estrutura formada por materiais difusos em movimento orbital ao redor de um corpo central).

A fricção, desde o disco, gera um enorme brilho, fazendo que o brilho da galáxia chega a ser como 300 trilhões de Sóis.

            De todas as galáxias, é a primeira vez, que é encontrado um gás tão turbulento.

"Nós suspeitamos que esta galáxia estava em uma fase de transformação da sua vida por causa da enorme quantidade de energia infravermelha", acrescentou o co-autor Dr. Peter Eisenhardt do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em Pasadena, na Califórnia (EUA).

Se essas condições turbulentas continuarem, a radiação infravermelha irá evaporar todo o gás da W2246-0526.

"É possível que W2246-0526 acabará por amadurecer em um quasar mais tradicional," disse o co-autor Dr. Manuel Aravena, também da Universidade Diego Portales.

Fonte:
http://www.jpl.nasa.gov
http://www.sci-news.com
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Matrix... (frase)

"Vocês vão para uma área e se multiplicam e se multiplicam, até que todos os recursos naturais sejam consumidos; a única forma de sobreviverem é indo para uma outra área. 

Há um outro organismo neste planeta que segue o mesmo padrão, você sabe qual é? 

Um vírus. 

Os seres humanos são uma doença, um câncer neste planeta, vocês são uma praga. Nós somos a cura." (Matrix - filme)


Matrix:

- Filme americano e australiano
- Gêneros: ação e ficção científica
- Dirigido: irmãos Wachowski
- Protagonizado:  Keanu Reeves e Laurence Fishburne
- Lançamento:  21 de maio de 1999 (Brasil) - março de 1999 (EUA)

Fonte:
https://pt.wikipedia.org

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Estudo sobre composição do planeta anão - Ceres...

Ceres, é um planeta anão de aproximadamente 940 km (584 milhas) de diâmetro, e segundo um estudo publicado na revista Nature, indica o descobrimento de argilas ricas em amônia, sendo assim coloca em critério a formação do planeta anão.

A superfície de Ceres, é normalmente escura, igualmente a um asfalto fresco (palavras dos autores do estudo). os pontos brancos que são salpicados em sua superfície, mostram claramente uma grande diversidade de brilho, porém não houve constatação evidente de gelo de água em Ceres; registros de alta resolução, é fundamental para solucionar este conteúdo.

Novos registros sobre Occator:

A cratera Occator no seu interior, possui pontos mais brilhantes do que toda superfície de Ceres, ela mede em torno de 90 km (60 milhas), e sua cavidade central mede aproximadamente 10 km (6 milhas) de largura e sua profundidade é cerca de 0,5 km (0,3 milhas), e é coberta por esses pontos brilhantes. Sulcos escuros, provavelmente rupturas, atravessam sua cavidade, e sobras de um cume, que foi possivelmente de 0,5 km (0,3 milhas) de altura, também pôde ser avistado.

A borda da cratera Occator, é pontuda, paredes e plataformas fartas em depósitos de deslizamento de terra, essa cratera devido sua aparência, apresenta ser mais jovem em Ceres. É estimado pelos pesquisadores da Missão Dawn, que Occator possui uma idade de aproximadamente de 78 milhões de anos.

Segundo autores do estudo, alguns avistamento de Occator, parecem mostrar uma neblina espalhada próximo da superfície e que ocupa todo o espaço no chão da cratera. Isto pode estar relacionado com as observações de vapor de água em Ceres, feitas pelo observatório espacial Herschel, que foi descrito no ano de 2014.

A neblina aparenta ser avistada ao meio dia, no horário local, e ao amanhecer e ao anoitecer, essa neblina é ausente. Este quadro sugere que o fenômeno é similar a atividade na superfície de um cometa, com jato de vapor de água, expelindo pequenas partículas de poeira de gelo.

Registros e análises futuras, poderão testar esta hipótese e apresentar indicações a respeito desse processo ativo.

"A equipe da ciência da Missão Dawn, ainda está discutindo esses resultados e análise de dados para entender melhor o que está acontecendo em Occator", falou Chris Russell, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (EUA), um dos principais pesquisadores da missão Dawn.


Amônia, e sua importância:

Foram encontradas evidências de argilas ricas em amônia na composição de Ceres, por membros da equipe de ciência da missão Dawn, segundo o estudo da revista Nature.

Foi detectado através dados do espectrômetro de mapeamento visível e infravermelho (um dispositivo que analisa a forma como vários comprimentos de onda de luz são refletidos pela superfície, permitindo minerais para ser identificado), que os pesquisadores utilizaram.

Como o planeta anão é muito quente, o amoníaco de gelo, iria evaporar, mas as moléculas de amoníaco por ser estável quando ligado quimicamente com outros minerais.

A presença dessa composição amoniacadas, desperta a chande de que Ceres não teve seu nascimento no principal cinturão de asteroides entre os planetas Marte e Júpiter, onde está localizado na atualidade, mas pode ter tido sua origem no Sistema Solar exterior.

Outro conceito, é que Ceres teve sua formação próximo do seu atual posicionamento, adicionando matérias que entravam desde o Sistema Solar exterior, próximo da órbita do planeta Netuno, onde gelos de nitrogênio são termicamente estáveis.

 Maria Cristina De Sanctis, principal autora do estudo, do Instituto Nacional de Astrofísica, em Roma (Itália) disse, "A presença de espécies portadoras de amônia sugere que Ceres é composto de material acrescidos em um ambiente onde amônia e nitrogênio foram abundantes. Consequentemente, pensamos que este material se originou no Sistema Solar frio exterior"

Em uma comparação do espectro de luz refletida em Ceres para um meteorito, os pesquisadores encontraram algumas similaridades.

Particularmente, os pesquisadores se dedicaram no espectro, ou nas  impressões digitais químicas, de condritos carbonáceos, um tipo de meteorito rico em carbono, acreditado ser semelhantes com o planeta anão, mas não obtiveram uma boa analogia para todos os comprimentos do equipamento de onda, incluindo as amostras que os especialistas encontraram.

Especialmente, tinha bandas de absorvição variadas, misturas de minerais possuindo amoníaco, ligados com comprimentos de onda, que não podem ser vistas pelos telescópios terrestres apropriados.

Os pesquisadores também viram outra diferença, pois os condritos carbonáceos têm conteúdo de água em  grande quantidade, entre 15% a 20%, entretanto a  proporção de Ceres em torno de 30%.

"Ceres pode ter retido mais voláteis do que esses meteoritos, ou poderia ter crescido a água do material volátil-rico", falou  De Sanctis.

O estudo também indicou que as temperaturas no planeta anão, sobre sua superfície, tem períodos de menos 136º a menos de 28º Fahrenheit (180º a 240º Kelvin).As temperaturas máximas foram medidos na região equatorial. As temperaturas próximas do equador são geralmente muito elevadas segurando o gelo na superfície por um longo período.

Os  autores do estudo dizem, que  os dados a partir da próxima órbita de Dawn irá revelar mais detalhes.



A partir desta semana, Dawn, atingiu sua altitude orbital final em Ceres, em aproximadamente 385 km (240 milhas) a partir da superfície do planeta anão.

 Em meados de dezembro, Dawn vai começar a registrar  observações desta órbita, incluindo imagens com uma resolução de 35 metros (120 pés) por pixel, infravermelho, raios gama e nêutrons espectros e dados de gravidade de alta resolução.


Fonte:
https://www.nasa.gov
https://postagenszm.blogspot.com.br
https://www.youtube.com
https://translate.google.com.br

domingo, 24 de janeiro de 2016

Nova pesquisa sobre os pontos brilhantes do planeta anão Ceres...

Ceres, tem mais de 130 locais brilhantes, e a maioria deles estão ligados com as crateras de impactos.

Cientista distinguiram os pontos brilhantes na superfície de Ceres, e segundo essa pesquisa realizada, é uma espécie de sal.

Os autores da pesquisa, liderados por Andreas Nathues no Instituto Max Planck, para Pesquisa do Sistema Solar, em  Göttingen, na Alemanha, relatam que o material brilhante no planeta anão, é formado com uma espécie de sulfato de magnésio hexa-hidratado, no nosso planeta uma espécie comum de sulfato de magnésio, é o sal de Epsom.


Segundo Andreas e sua equipe, imagens da câmara de enquadramento da Sonda Daw, foram utilizadas nessa pesquisa, e indicam que no passado quando a água e o gelo tiveram o processo de sublimação (fenômeno físico e químico que consiste na passagem direta de uma substância do estado sólido para o estado gasoso e vice-versa, sem passar pelo estado líquido), foram deixados área ricas em sal, por causa desse processo físico e químico. Devido as colisões, ou melhor dizendo, impactos de asteroides, esses impactos teriam descoberto essa mistura de gelo e sal.

"A natureza global de pontos brilhantes de Ceres, sugere que este mundo tem uma camada subsuperficial que contém sal, água e gelo", falou Andreas.

Essa pesquisa foi publicada na revista Nature.

                    Crédito de animação: Nasa / JPL-Caltech / UCLA / MPS / DLR / IDA

Fonte:
https://www.nasa.gov
https://translate.google.com.br

sábado, 23 de janeiro de 2016

O cometa e a galáxia...

Em 17 de janeiro de 2016, o cometa Catalina (C/2013 US10), fez a sua maior aproximação passando em aproximadamente 6 minutos-luz da Terra.

Sendo observado do nosso planeta, a poeira e caudas de iões (átomos ou umas moléculas que ganharam cargas ou perderam cargas de elétrons) estavam visivelmente separadas.

O cometa C/2013 US10, também fez um grande momento para uma captura de imagem, quando passou na linha imaginária para M101, a galáxia do Cata-Vento (no canto inferior esquerdo da imagem, logo abaixo), que é uma grande galáxia espiral, a cerca de 27 milhões de anos-luz de distância na direção da constelação de Ursa Maior, e esta constelação, está localizada no hemisfério celestial norte. A galáxia  M101, é praticamente duas vezes o tamanho da nossa própria galáxia a Via Láctea.



O Catalina, como a galáxia do Cata-Vento, são visivelmente brilhantes e ponto fácies de serem observados pelos skygazers (observadores de estrelas) equipados por binocular (na astronomia, o uso do binóculos tem várias vantagens: portabilidade, conforto, correção de campo e visão binocular).

O cometa Catalana está se encaminhando para sair do Sistema Solar interior, e nos próximo meses, lentamente desaparecerá.

Fonte:
http://apod.nasa.gov
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

Nevasca 2016 observada do espaço...

Nesse final de semana, satélites na Nasa mostraram a partir do espaço, uma imensa tempestade que está se aproximando no meio do Atlântico.

É pensado que essa tempestade venha gerar uma trajetória de aproximadamente 1 metro (2 pés) de neve em certas regiões.


Simuladores de computador averiguaram os registros, para fornecer uma visão do movimento das nuvens do ponto de origem e do comportamento da tempestade em todo o globo, acrescentando a nevasca que está se formando em todo leste dos Estados Unidos.

No meio do Atlântico, essa tempestade não vai gerar neve, mas resultará um mau tempo na Costa do Golfo, os satélites constataram uma extrema precipitação nessa área.

Esses dados são da Nasa (NOAA - Suomi - NPP - NOAA/GOES), os satélites do leste, estão sendo utilizados para gerar imagens de animação (logo abaixo) para essa imensa tempestade.

Fonte:
http://www.nasa.gov
https://translate.google.com.br

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Antiga nuvem de gás ...

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Tecnologia de Swinburne na Austrália, demonstrou que eles encontraram uma antiga nuvem de gás, em uma distância relativa da Terra de  bilhões de anos-luz.

Os pesquisadores liderados pela Universidade australiana, disseram que essa nuvem tem aproximadamente 1,8 bilhões de anos, depois do Big Bang.

Eles utilizaram o *Very Large Telescope ou VLT, no Chile, para essa descoberta, e segundo os especialistas, pela porcentagem muito baixa de elementos como o carbono, o oxigênio e o ferro, indica o que foi descoberto, é muito velho.

Neil Crighton, que é um dos  pesquisadores do Centro de Astrofísica e Supercomputing da Universidade australiana, disse "Elementos pesados ​​não foram fabricados durante o Big Bang, eles foram feitos mais tarde por estrelas" e continuou  "As primeiras estrelas foram feitas a partir de gás completamente intocado, e os astrônomos pensam que essa formação é diferente das estrelas de hoje".

Pouco depois dessas primeiras estrelas da População III, houve a explosão em supernovas, espalhando elementos pesados nos arredores do gás intocado. E os cientistas acreditam que os registros químicos lidos desta nuvem de gás, pode ser uma impressão digital, demonstrando o quanto ela é realmente antiga.

"Anterior nuvens de gás encontradas por astrônomos, mostram um nível mais elevado de enriquecimento de elementos pesados, para que elas provavelmente estavam poluídas pelas gerações mais recentes de estrelas, obscurecendo qualquer assinatura das primeiras estrelas." explicou Neil Crighton.

Se comparar as nuvens de gás com elementos pesados encontradas por astrônomos, e a encontrada pela equipe de Swinburne, fica evidenciado de que essas estrelas são as primeiras a morrerem, pois nela há apenas traços desses elementos pesados.

Michael Murphy, um dos integrantes dessa descoberta, disse "Esta é a primeira nuvem para mostrar a pequena fração de elemento pesado, esperado para uma nuvem enriquecida apenas pelas primeiras estrelas".

"Podemos medir o rácio (proporção) de dois elementos nesta nuvem, o carbono e silício, mas o valor dessa relação não mostram conclusivamente que ela foi enriquecida com as primeiras estrelas; posterior enriquecimento pelas gerações mais velhas das estrelas também é possível", falou o co-autor da pesquisa John O'Meara da Faculdade de Saint Michael em Vermont (EUA), e continuou "Ao encontrar novas nuvens onde podemos detectar mais elementos, vamos ser capazes de testar para o padrão único de abundâncias que esperamos para o enriquecimento pelas primeiras estrelas."



O estudo, foi apresentado em uma reunião da Sociedade Astronômica Americana, e o
estudo foi publicado no  Monthly Notices da Royal Astronomical Society Letters.

* É uma instalação do European Southern Observatory - ESO (Observatório Europeu do Sul) que consiste na construção e no funcionamento do maior conjunto de telescópios ópticos do mundo em um único local.

Fonte:
http://www.sciencealert.com
https://www.eso.org
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Planetas em alinhamento...

Durante um mês, cinco planetas vão estar em alinhamento, começou no dia 20 de janeiro de 2016, e vai até 20 de fevereiro de 2016.

Os cincos planetas alinhados são: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno, e esse fenômeno raro, estará entre o horizonte e a lua, e poderá observado a olho nu.

A última vez que ocorreu esse raro fenômeno, foi no 15 dezembro de 2004 a 15 de Janeiro de 2005.

A ordem do alinhamento:

O planeta Júpiter, será o primeiro a ser observado, e será fácil sua identificação, devido ao seu brilho.

O planeta Marte, será o segundo, com sua cor inconfundível, o vermelho, será notado.

O planeta Saturno, será o terceiro, e estará um pouco mais baixo.

O planeta Vênus, será o quarto.

O planeta Mercúrio, será o quinto, mas haverá uma certa dificuldade em observa-lo, pois estará na linha do horizonte, isso poderá deixá-lo um pouco escondido.

A melhor hora de observação desse alinhamento, será um pouco antes de amanhecer, e fazer da Lua a referência, entre os dias 27 de janeiro e 6 de fevereiro de 2016, por recomendação do site earthsky.org. 


Segundo o site earthsky.org, se por acaso você não poder ver esse evento, sem problemas, pois no mês de agosto, ele voltará a parecer outra vez, entre os dias 13 a 19 de agosto de 2016, mas os planetas Mercúrio e Vênus, não serão observados facilmente, devido suas posições estarem mais abaixo no oeste ao entardecer.

Para uma observação melhor, procurar lugares longe de luzes, para a claridade não atrapalhar, e torcer para o céu não estar nublado. 

Fonte:
http://earthsky.org
http://www.bbc.com
https://translate.google.com.br

O sopro da baleia...

A editora de vídeos e fotografia Dafna Ben Nun, que é especialista em natureza e em animais, capturou uma imagem curiosa, que você pode observar logo abaixo.

Essa imagem é de uma baleia beluga (Delphinapterus leucas), que dá um sopro formando um anel de bolhas.


A baleia beluga, também conhecida como baleia branca  (beluga do russo byeluga; em russo belyi, ‘branco’), é um mamífero cetáceo, pertence a família dos golfinhos.

Normalmente esse tipo de baleia nada e caça seu alimento em grupo, entre 30 a 100 baleias; vivem nas águas frias ao redor do círculo polar ártico; seu tamanho pode chegar até 5 metros de comprimento, e seu peso pode chega a ter 1,5 toneladas; sua arcada dentária pode possuir entre 8 até 10 dentes em cada maxilar.

A baleia branca, tem um tempo de vida, entre 25 a 30 anos; as baleias fêmeas podem gerar filhotes até 8 vezes, durante o seu ciclo de vida.

Essas baleias, são dóceis e podem conviver com os humanos, chegando até aprender um comportamento, se for ensinado desde filhote.


Na atualidade, existem aproximadamente 150.193 baleias beluga, nadando pelos oceanos.
Devido a caça ainda ser liberada ao povo do ártico, pelo fato da tradição de seus povos antigos, isso pode levar esse belo animal à extinção.

Fonte:
http://www.bbc.com
https://pt.wikipedia.org
http://www.dailymail.co.uk
https://translate.google.com.br

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Uma flor espacial...

A tripulação da Estação Espacial Internacional (EEI), comemorou uma flor que desabrochou, em um experimento que começou no dia 16 novembro de 2015.

Em sua página em um site de relacionamento, Skott Kelly disse:
"Sim, há outras formas de vida no espaço!

A flor de cor laranja, tem o nome botânico de Zinnia, mas popularmente é chamada de zínia, ela é própria da família Asteraceae.

O cuidado do cultivo, foi do astronauta americano Scott Kelly; no final de dezembro de 2015, Kelly observou que não estava tendo um resultado satisfatório, da forma em que a planta estava sendo tratada, pois o processo era um tanto complicado.

Então o astronauta, foi liberado para cuidar da flor como ele achava melhor, e em uma comparação, ele falou que o cuidado deveria ser como se estivesse em sua casa, olharia para o jardim e diria: "Oh, talvez eu devesse molhar a grama hoje".

E dessa forma, a planta foi tratada, até que desabrochou a primeira flor do espaço, cultivada na microgravidade da EEI.


Essa missão desafiadora do cultivo e crescimento da flor Zinnia, fornece uma possibilidade ideal, para os pesquisadores no nosso planeta, para a compreensão de como as plantas crescem e evoluem em um local de microgravidade.

Já para os astronautas, seriam responsáveis pela a prática de seus afazeres, em uma missão ao espaço profundo, e uma dessas responsabilidades, seria a jardinagem autônoma.

A Nasa faz esse experimento que leva o nome de Veggie, pensando na sobrevivência dos astronautas em futura missão à Marte.

E desde o anos de 2014, a EEI conduz um sistema que é um pequeno centro de vegetais, onde faz experimentos de plantas.


Projeto da Nasa na EEI -  Sistema de Produção Vegetal (Veggie):

É uma unidade de crescimento da planta em estufa, capaz de produzir culturas de tipo salada para fornecer a tripulação com uma fonte agradável ao paladar, nutritivo e garantia de alimentos frescos, sendo um modo de apoiar o relaxamento e lazer. O processo faz a transferência de iluminação e de nutrientes, utilizando o ambiente da cabina para controle de temperatura e como uma fonte de dióxido de carbono para promover o crescimento.

No ano de 2012, o astronauta norte-americano Don Pettit, cultivou em saco plástico abobrinha, em um experimento pessoal.

Fonte:
http://www.nasa.gov
http://g1.globo.com
http://videos.bol.uol.com.br
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Duas galáxias e o Boto...

O Telescópio Espacial Hubble da Nasa, no ano de 2013, capturou a imagem de duas galáxias se colidindo, se preferir, se encontrando. Este encontro entre as galáxias NGC 2936 e  NGC 2937, recebeu o nome de Arp 142.

A Galáxia NGC 2936, era originalmente uma galáxia espiral, como a Via Láctea, mas ela se aproximou demais da galáxia supermassiva  NGC 2937, e a união entre as marés gravitacionais, distorceram o formato da NGC 2936.

A NGC2936, fica comprimida durante o encontro, e libera formação de jovens estrelas (cor azul), visíveis ao longo dos braço distorcidos próximos a NGC2937.

A NGC2937, contém estrelas que são na sua maioria de idade, como se pode notar pela sua cor avermelhada.

O curioso que deste encontro, surgiu a figura de um boto, devido a este formato foi carinhosamente chamada de Galáxia do Boto. Também há quem olha e vê um pinguim protegendo seu ovo.

Mas na verdade, é um sistema constituído por duas galáxias, o Arp 142, que está aproximadamente 326 milhões de anos-luz de distância na constelação do sul Hydra.

Fonte:
http://www.nasa.gov
https://www.google.com.br
https://translate.google.com.br

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Arcos de material solar...

O *Solar Dynamics Observatory (SDO) da Nasa, capturou imagens no dias 16 e 17 de dezembro de 2015, onde apareceu de repente um filamento solar escuro acima da superfície do Sol, tornado-se oscilante e assim criando uma cascata de arco magnético.

Está relacionado possivelmente, uma pequena erupção  no canto superior direito do filamento, devido a um colapso.

Os arcos de material solar, aparentam brilhantes, porque eles propagam luz em comprimento de extrema ondas ultravioleta, evidenciando as partículas carregadas que rodeiam por toda extensão das linhas dos campos magnéticos do nosso astro rei.


O vídeo abaixo foi realizado em comprimentos de extrema onda ultravioleta em 193 angstroms (unidade utilizada para a grandeza), uma qualidade de luz, que geralmente não é imperceptível aos nossos olhos, mas no vídeo está colorizado em bronze.


*Solar Dynamics Observatory é uma sonda não-tripulada da Nasa, que analisa os processos do Sol que prejudicam diretamente a vida no nosso planeta.

Fonte:
http://www.nasa.gov
https://www.youtube.com
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

domingo, 17 de janeiro de 2016

Habitantes da Terra oca...

Terra oca, é uma teoria, defendida por muitos, onde a Terra não seria uma esfera fundamental, preenchida com lavas de vulcões, mas sim um corpo oco com aberturas (fendas) localizadas nos Pólos.

Onde há um Sol central que se mantém no seu espaço, devido a gravidade, e a energia desprendida por ele, dá condições de vidas no interior da Terra.

Todos os planetas são ocos e possuem um Sol central, e estão lá, é como se estivéssemos em uma superfície, estando no interior.

Segundo essa teoria, os habitantes do interior, são evoluídos não só em tecnologia, mas também em nível pessoal, com essa evolução, atingiram a imortalidade.

Esses seres da Terra oca, vieram para o nosso planeta, desde que foi gerado, e eles tem por objetivo o trabalho no interior da Terra, ou seja, em adaptações de edificações em galerias, para ajudar e proteger o máximo que puder a humanidade, caso venha ocorrer uma tragédia ambiental de caráter generalizado.

Eles possuem tudo que nós possuímos, mas com tecnologias, convivência e respeito com o planeta, muito além de podemos imaginar.

Um exemplo é Agharta, uma estrutura de 100 cidades subterrâneas, seus habitantes possuem características físicas semelhantes aos humanos. Eles tem olhos que podem ser ajustados para observar qualquer lugar do interior, da superfície, e até mesmo do espaço.

Nessas cidades, o sistema de transporte é gratuito, os carros são pequenos e levitam (sem ruídos), não utilizam nenhum tipo de combustível, assim são limpos e isentos de poluição.

Esses seres, tem um porto espacial, onde suas naves trafegam sem ruído e sem poluição, entre os polos, e também podem sair fora da atmosfera sempre que julgarem necessário.

O sistema de água é puro, assim como os seus oceanos, que também tem uma água pura e consistente, portanto estes seres, não afundam nas águas e conseguem respirar quando estão submersos, e nunca matam nada dos oceanos; e telepaticamente, se comunicam com as vidas dos oceanos e entre eles mesmos.


Segundo muitos ufólogos, as naves espacias avistadas aqui no nosso planeta, e também avistadas fora da atmosfera nas proximidades da Terra, não seriam de extraterrestres, e sim destes seres da Terra oca.

Fonte:
http://www.ufo.com.br
https://www.vice.com
https://postagenszm.blogspot.com.br
https://translate.google.com.br

sábado, 16 de janeiro de 2016

Philae não dá sinal de vida...

Desde 06 de agosto de 2014, a sonda espacial Rosetta da ESA, está orbitando o cometa 67/P Churyumov-Gerasimenko. Philae é um robô, que desacoplou da Rosetta e pousou no cometa.

A comunicação entre o robô Philae e a sonda Rosetta, foram interrompida a partir do dia 09 de julho de 2015, desde de então não houve nenhum sinal de vida.

Atualmente o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko, está a 300 milhões / km (186 / mi) do Sol, e o núcleo do cometa está cada vez mais frio, e assim sem a energia solar, Philae vai deixando de realizar seu trabalho. No dia 21 de dezembro, parecia que houve algum tipo de sinal, mas foi alarme falso. 

 Philippe Gaudon, gerente de projeto da missão Rosetta do Centre National d'Etudes Spatiales - CNES (em francês), ou Centro Nacional de Estudo Espacial (em português), disse: "No momento, nós não temos nenhuma maneira de saber se Philae recebe comandos que enviamos a ele e se ele executa, ou se finalmente foi extinto".

Diante dessa incerteza, os gerentes de comando do Philae, no dia 10 de janeiro de 2016, decidiram enviar um comando de rotação, para o local que ele se estabilizou em uma inercia, pois no dia 12 de novembro 2014, quando o robô teve sua queda em direção ao núcleo do cometa, o contato com a superfície, cortou qualquer tipo de comunicação, mas com um comando de rota, voltou a mandar informações; assim é esperado dessa vez, com um deslocamento, que possa mexer com o Philae, e o material que se acomodaram sobre ele no decorrer dos meses, possam ser exclusos. 


Nenhum contato foi estabelecido até o presente momento, após esse comando, não tem como saber como se encontra o robô e quais as razões da perda de sinal, pois podem ser numerosas.

Há também a hipótese que Philae, tenha recebido o comado, mas devido a falta de energia solar, não tem como mandar o retorno.

Então sem saber como está o robô, isso se mantém um mistério, e as chances de algum sinal se diminui a cada dia. Philae está atualmente a 80 km  (49 mi) do núcleo do cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko, e nos próximos meses estará mais perto ainda. 

No mês de agosto, quando estará próximo da hora do fim da missão, o robô vai estar em uma distância do núcleo do cometa em aproximadamente 10 km (6 mi).

Fonte:
https://rosetta.cnes.fr
https://postagenszm.blogspot.com.br
https://translate.google.com.br

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Despedida a um professor da magia...


Professor Severus Snape:

“Não espero que vocês realmente entendam a beleza de um caldeirão cozinhando em fogo lento, com a fumaça a tremeluzir, o delicado poder dos líquidos que fluem pelas veias humanas e enfeitiçam a mente, confundem os sentidos. 
Posso ensinar-lhes a engarrafar fama, a cozinhar glória, e até por um fim na morte..." - Pedra Filosofal - capítulo 8 - saga Harry Potter.


Hoje, dia 14 de janeiro de 2015, o professor da saga Harry Potter, o ator Alan Rickman de 69 anos, nos deixou para uma jornada a um novo mundo, que com certeza irá ser beneficiado com seu comparecimento.
Nós perdemos a sua presença, mas os seus trabalhos ficaram imortalizados. Valeu!!!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Estrutura de Richat...

 Localizada no meio do deserto do Saara, na Mauritânia (país situado no noroeste da África), é uma estrutura de forma circular, também conhecida como Olho da África ou Olho do Saara.

Ela foi relatada pela primeira vez em um mapa, pelo Instituto Geográfico Nacional Francês, no ano de 1963.

No ano de 1965, essa estrutura, foi avistada por completa pelos astronautas norte-americanos, Edward Higgins White II e James A. McDivitt, na missão espacial Gemini, pois só a partir do espaço sideral que ela pode ser vista por completa. Esta estrutura circular, possui um diâmetro a cerca de 50 km (31 mi), e por ter uma proporção gigantesca, ela serve como um marco para os astronautas em missões de transportes.

Quanto a sua formação circular, ainda continua uma incógnita, pois muitos acreditam ser um evento astronômico, e segundo a teoria, um meteorito colidiu com a superfície da Terra, e assim se originalizou uma cratera, e devido essa colisão, ficou um formato circular à essa estrutura.

Mas alguns estudos geológicos realizados na Estrutura de Richat, indicam que no período cretáceo (fica entre 145 milhões, 65 milhões e 500 mil anos, aproximadamente), houve uma erupção vulcânica anormal, datada a cerca de 100 milhões de anos, e com o decorrer do tempo, houve seu afundamento em virtude de erosão (desgaste do solo e das rochas).

Fonte:
http://earthobservatory.nasa.gov
http://www.nasa.gov
http://maisturismo.org
https://translate.google.com.br

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Planetas da ficção...

Planeta Tatooine:

Este planeta é deserto de clima quente e seco, foi onde nasceu  Luke Skywalker, que é o lendário Cavaleiro Jedi. (Saga - Star Wars).

Planeta  Oa:

O anel do Lanterna verde, foi confeccionado com a matéria energética deste planeta, lugar de moradia dos Guardiões do Universo. (Marvel).

Planeta  Discworld:

É um mundo mágico e plano, sustentado pelos ombros de quatro elefantes,que são sustentados pelo casco de uma imensa tartaruga, a Grande A’Tuin. (Livro - A Cor da Magia).

Planeta Krypton (extinto):

Neste planeta nasceu o super-homem (Clark Kent), cuja a pedra desse planeta, tira toda força do nosso super herói. (Marvel).

Planeta Cybertron:

Lar metálico dos Transformers, onde os nativos desse planeta, são seres mecânicos, que se transformam em qualquer tipo de coisa, ou melhor dizendo, qualquer tipo de seres. (Filme Transformers).

Planeta Vulcano:

O nome oficial do planeta é Confederação de Surak, Situado no Quadrante Beta, a cerca de 16 anos-luz do nosso planeta. O planeta é avermelhado, árido, quente e coberto de desertos e montanhas. Lar do oficial de ciências da USS Enterprise, o senhor Spock , que é filho de um pai vulcaniano e uma mãe terráquea. (Série - Star Trek).


Planeta Gallifrey (extito):

Situava-se longe dos domínios da Via Láctea, em aproximadamente 250 milhões de anos-luz da Terra; possui dois Sóis e o seu céu era laranjado. Local de nascimento dos Senhores do Tempo e também do doutor viajante do tempo, o Doctor Who. (Série - britânica Doctor Who).

Planeta  Magrathea:

Um planeta onde a população é especializada em construir outros planetas sob encomenda. Uma de suas construções é a Terra. Este planeta orbita a estrela dupla Soulianis e Rahm. (Série - O Guia do Mochileiro das Galáxias).

Reino Atlantis / Planeta Terra:

É um reino do fundo do oceano, onde o Aquaman é o rei deste reino. (Marvel).

Planeta Asgard:

Reino dos deuses, mundo separado do reino dos mortais, reino onde nasceu Thor o deus do trovão. (Marvel).

Planeta Pandora:

N realidade não é um planeta, mas Pandora é a quinta lua do gigante de gás Polyphemus (mitologia grega), que orbita Alpha Centauri A, no Alpha Centauri sistema de estrelas, o sistema estelar mais próximo ao nosso próprio Sol. (Filme - Avatar).

Planeta Atlantis:

A verdade é que Atlantis, é um sistema estelar cuja a maior estrela, tinha em sua órbita cinco pequenos astros. Grandes civilizações habitavam dois deles e, um terceiro, por ter clima inóspito, era utilizado para alojar dissidentes políticos e outros transgressores das leis. (Livro - Atlantis, o Quinto Planeta).

Planeta Terra do Nunca:

É um planeta, onde as crianças nunca crescem, moradia de Peter Pan e o Capitão Gancho. "a segunda estrela à direita e então direto, até amanhecer”. (Filme e Livro - A Terra do Nunca)
Fonte:
https://www.google.com.br
http://www.europanet.com.br
http://super.abril.com.br
https://www.google.com.br (Reprodução de todas as imagens)

Datas dos eventos astronômicos de 2016...

Abaixo tem a relação das datas destes eventos, fornecida pelo Centro de Divulgação da Astronomia (CDA) da Universidade de São Paulo (USP), Brasil. (contato feito por e-mail).

Confira:

Janeiro
9 – Vênus e Saturno poderão ser vistos muito próximos, um do outro no céu.

Fevereiro
07 - Mercúrio estará com a maior distância angular (oeste a 26°) do Sol (posição facilita melhor visibilidade da Terra).

Março
08 - Júpiter estará alinhado com a Terra e do lado oposto ao Sol. (acontecerá a maior aproximação do planeta em relação a Terra, e o Sol iluminará Júpiter,e  o planeta ficará visível a olho nu).

Abril
10 - A estrela Aldebaran, a mais brilhante da constelação de Touro (poderá ser avistada muito próxima da Lua).
18 – Mercúrio estará com a maior distância angular (leste a 20°) do Sol (posição facilita a visibilidade a partir da Terra).
22 - Chuva de Meteoros Lirídeas

Maio
04 - Chuva de Meteoros Eta Aquarídeas
22 - Marte estará em sua maior aproximação com a Terra e será iluminado pelo Sol (facilita a visualização).

Junho
03 - Saturno estará em maior aproximação com a Terra.
03 – A Lua e Mercúrio poderão ser vistos próximos, um do outro no céu.
05 - Mercúrio estará com a maior distância angular (oeste a 20°) do Sol, (posição facilita uma melhor visibilidade da Terra).

Julho
28 - Chuva de Meteoros Delta Aquarídeas

Agosto
04 – Mercúrio e a Lua estarão visualmente muito próximos no céu.
12 - Chuva de Meteoros Perseídas.
16 - Mercúrio estará com a maior distância angular (leste a 27°) do Sol (posição facilita melhor visibilidade da Terra).
27 – Vênus e Júpiter estarão visualmente muito próximos no céu.

Setembro
02 - Netuno estará em seu ponto mais próximo da Terra ( avistado a olho nu, mas apenas como um ponto azul).
29 - Mercúrio estará com a maior distância angular (oeste a 18°) do Sol (posição facilita melhor visibilidade a partir da Terra).

Outubro
16 - Superlua
21 - Chuva de Meteoros Orionídeas.

Novembro
02 - Chuva de Meteoros Taurídeas do Sul.
14 - Superlua
17 - Chuva de Meteoros Leonídeas.

Dezembro
10 – Mercúrio estará com a maior distância angular (leste a 21°) do Sol(posição facilita melhor visibilidade a partir da Terra)
13 - Chuva de Meteoros Geminídeas
14 - Superlua
22 – Chuva de Meteoros Ursídeas

Fonte:
http://www.cdcc.usp.br

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Homenagem a David Bowie...

   Labirinto - A magia do tempo

Diálogo no filme, entre Jareth, o rei dos duendes (David Bowie) e Sarah (Jennifer Connelly).

Jareth: 
– Eu fui generoso até agora, mas posso ser cruel.

Sarah
– E o que você fez de tão bom?

Jareth: 
– Tudo o que você quis eu fiz. Você pediu para a criança ser levada e eu levei. 
Se acovardou diante de mim e eu fui assustador. Reorganizei o tempo. Virei o mundo de cabeça para baixo e fiz tudo isso por você. 
Estou cansado de suprir suas expectativas sobre mim. Eu te peço tão pouco...


Filme norte-americano e britânico, dos anos 80, que teve seu lançamento no Brasil no dia 25 de dezembro de 1986.
Dirigido por Jim Henson e produzido por Eric Rattray em conjunção com George Lucas.

Essa é uma homenagem do Blog ZM. ao ator, cantor e compositor David Bowie, que no dia de hoje, 11 de janeiro de 2016, encerrou sua jornada aqui na Terra, mas deixou grandes recordações em muitas histórias na vida de milhões de pessoas.
Obrigado, David Bowie, sua ausência será sempre sentida.

Fonte:
https://pt.wikipedia.org
https://www.youtube.com

domingo, 10 de janeiro de 2016

Planeta Marte...

Foi denominado assim, em referência ao deus romano da guerra, é o segundo menor planeta do Sistema Solar, com um diâmetro de aproximadamente  6.794 km (4.221 mi), e o quarto planeta em distância em relação ao Sol.

Ainda é uma incógnita a maior parte da composição interna de Marte. mas através de estudos e análises, se sabe, que o pequeno núcleo, é líquido e possivelmente, uma parte é formada por ferro e outros componentes mais leves, como o sulfeto de ferro.

O seu manto (fica diretamente abaixo da crosta), é menos espesso que o núcleo, tem uma composição de minerais ricos em ferro, magnésio, e especialmente em olivina e piroxênio. A crosta tem uma característica de uma concha, que é constituída de rocha vulcânica.

Marte é chamado também de planeta vermelho, devido ao óxido de ferro, que está presente no total de sua superfície, que é coberta por poeira vermelha. E nota-se que o planeta já foi bem castigado, com as crateras, devido a diversos impactos por meteoritos e também possui cicatrizes por atividade vulcânica, cursos de água e erosão.

Especialmente no hemisfério sul, são achadas numerosas crateras de impactos,  e no hemisfério norte, são encontradas jovens planícies vulcânicas e também uma grande cadeia de montanhas, que recebeu o nome de Valles Marineris, que se alonga de oeste para leste.

Assim como a Terra, o planeta Marte possui dois polos, e tanto o polo norte como o polo sul do planeta vermelho, possuem suas calotas polares, que estão frequentemente com uma capa extremamente mutável. O polo sul, é maior e mais frio, e é rico em gelo seco sazonal (estacional), já o polo norte, tem água em abundância e gelo, porém mais quente, em comparação ao polo sul do nosso planeta.

A atmosfera de Marte, é fraca, com baixa pressão atmosférica e com pouca concentração, possuindo variedade de gases, sendo composta por 96% de dióxido de carbono, 2% de argônio (Ar - símbolo), 1,9% de azoto, e vestígios de oxigênio, monóxido de carbono, vapor de água e outros gases.

A pressão atmosférica marciana, pode ser bem diversificada, pois está sujeita ao complicado ciclo de condensação (passagem do estado de vapor ao estado líquido) e sublimação (passagem do estado sólido diretamente ao gasoso) das calotas polares. Marte tem menos de 1% da pressão atmosférica normal na Terra.

Mais detalhes sobre Marte:

Distância do Sol: 228.000.000 km (141.672.631 mi)

Duração do ano: 687 dias da Terra

Duração do dia: 24h36'

Massa: 0,107 vezes a massa da Terra

Satélites naturais: 2 - Fobos e Deimos

Velocidade orbital em média: 24,13 km/s.

Temperatura média da superfície: -63 ° C (-143 ° C min, max + 20 ° C)


A sonda espacial da Nasa, a Mars Reconnaissance Orbiter , que foi lançada em 10 de agosto de 2005, está orbitando o planeta vermelho. E na superfície de Marte, está o robô Curiosity, também da Nasa.

Fonte:
https://cnes.fr
https://www.nasa.gov
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

sábado, 9 de janeiro de 2016

"X" marca o ponto de atividade intrigante na superfície de Plutão...

No dia 24 de dezembro, a Reconnaissance Imager Long Range - LORRI (Reconhecimento de Imagem de Grandes Alcance, em português), que está a bordo da sonda New Horizons, que está orbitando o planeta Plutão, enviou uma imagem de alta resolução, mais estendida da 'faixa de Plutão ao centro da planície gelada conhecida como Sputnik Planum ("no lado esquerdo do coração de Plutão").

Essa planície gelada, está em uma elevação mais baixa do que a maior parte da área que a rodeia por aproximadamente 3 km (2 mi), mas não é totalmente plana, com uma superfície irregular separadas polígonos de 16 a 40 km (10 a 25 milhas) de largura, e quando observados por um ângulo abaixo do Sol (com sombras  perceptíveis), nota-se que nos polígonos, tem os centros levemente erguidos e as margens onduladas, de aproximadamente 100 metros (109 jardas), com alturas variadas no seu total.

É acreditado pelos cientistas, que esse modelo de polígonos, é resultado do processo lento da ocorrência de calor nos gelos contidos por nitrogênio, que completam a planície Sputnik Planum.

Possivelmente, há um reservatório de diversos quilômetros ou milhas de profundidade, em alguns pontos o nitrogênio sólido é aquecido em profundidade por um discreto calor interno de Plutão, que se transforma em ativo e se ergue em grandes gotas, e depois esfria e afunda novamente para renovar o ciclo.

"Esta parte de Plutão, que está agindo como uma lâmpada de lava, se você pode imaginar uma lâmpada de lava tão ampla como, e até mesmo mais profundo do que *Hudson Bay", palavras do vice-líder do Team New Horizons Geologia (equipe de geologia da sonda), William McKinnon.

Essas inversões do nitrogênio sólido, se transformando em polígonos, podem evoluir vagarosamente e se unem no decorrer  de milhões de anos, segundo os modelos de computador da equipe da New Horizons.

As margens rugosas, que marcam a valeta de gelo de nitrogênio de volta para baixo, podem ser contidos por fora e fixados. O ponto"X", provavelmente é uma delas; uma ex-junção quadruple, onde quatro polígonos com o movimento dos fluídos, fixaram por influencia de variação do gelo e calor, e numerosas, junções triplas ativas, que podem ser observadas em outras partes do mosaico Lorri.


*Hudson Bay - Baía Hudson:

Está localizada no nordeste do Canadá, incorporada no oceano Ártico, com um comprimento máximo de 1.050 km (652 mi), com largura máxima de 1.370 km (851 mi), área superficial de aproximadamente de 1.230.000 km² (764.286,56 mi²), e uma profundidade em média de 100 metros (109 jardas).

Fonte:
https://www.nasa.gov
https://pt.wikipedia.org
https://translate.google.com.br

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Astronomia - Astrologia - Signos - Constelação...

As 13 constelações, representadas pelos signos com suas datas, e suas estrelas mais brilhantes no céu:

Constelação de Capricornus:

- Capricórnio: 20 de janeiro a 16 de fevereiro - estrela Deneb Algedi


Constelação de Aquarius:

- Aquário: 16 de fevereiro a 11 de março - estrela Sadalsuud Kaus Australis


Constelação de Pisces:

- Peixes: 11 de março a 18 de abril - estrela Eta Piscium


Constelação de Aries (Carneiro):

- Áries: 18 de abril a 13 de maio - estrela Hamal


Constelação de Tauros:

- Touro: 13 de maio a 21 de junho - estrela Aldebaran


Constelação de Gemini:

- Gêmeos: 21 de junho a 20 de julho - estrela Beta Geminorum (Pollux)


Constelação de Cancer (Caranguejo):

- Câncer: 20 de julho a 10 de agosto - estrela Al Tarf


Constelação de Leo:

- Leão: 10 de agosto a 16 de setembro - estrela Regulus


Constelação de Virgo:

- Virgem: 16 de setembro a 30 de outubro - estrela Spica


Constelação de Libra (Balança):

- Libra: 30 de outubro a 23 de novembro - estrela Zubeneschamali


Constelação de  Scorpius:

- Escorpião:23 de novembro a 29 de novembro - estrela Antares


Constelação de Serpentário:

- Ophiuchus: 29 de novembro a 17 de dezembro - estrela Rasalhague


Constelação de Sagittarius:

- Sagitário: 17 de dezembro a 20 de janeiro - estrela Kaus Australis


Constelações: 

As constelações são aglomerados de estrelas que tem um formato de desenhos de pessoas, animais ou objetos, apesar da estrelas estarem distantes uma das outras, na visão do ser humanos daqui da Terra, representam estarem juntas, criando diversas figuras.

As constelações nos auxiliam a dividir o céu em partes menores, sendo 88 constelações oficiais pela União Astronomia Internacional.

As constelações tiveram suas origem na antiguidade para ajudar a identificar as estações do ano algum exemplos:

- Constelação do Escorpião é típica do inverno do hemisfério sul, já que em junho ela é visível a noite toda.

- Órion é visível a noite toda em dezembro, e portanto, típica do verão do hemisfério sul.

- Constelação de Leo, tem um desenho característico de foice, facilmente visível esta constelação na primavera, no hemisfério norte.

É acreditado por vários historiadores, que muitas das lendas ligadas as constelações, foram criadas para ajudarem os agricultores a não se esquecerem quando eram as épocas do plantio e da colheita.


É uma ciência natural que estuda os astros e a estrutura do universo, como estrelas, planetas, cometas, nebulosas, aglomerados de estrelas, galáxias, e também eventos que se originam fora da atmosfera da Terra, como radiação cósmica de fundo em microondas (fóssil da luz, resultante de uma época em que o Universo era quente e denso, apenas 380 mil anos após o Big Bang). 
Ela está interessada com a evolução, a física, a química e o movimento de objetos celestes, bem como a formação e o desenvolvimento do universo.

Astrologia:

É uma pseudociência (uranoscopia), cujo objetivo é decifrar a influência dos astros, no decorrer dos eventos terrestres, na vida das pessoas, e em suas características psicológicas. Em especial os signos, no destino e no comportamento dos seres humanos.

Fonte:
http://www.lagartense.com.br
http://g1.globo.com
http://somostodosum.ig.com.br
https://pt.wikipedia.org
http://www.astronoo.com
https://www.google.com.br

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Inversão polar do Sol...

Conforme as medições do suporte de observatório da Nasa, o campo magnético do Sol, irá fazer uma inversão de polaridades, ou seja, uma mudança entre as polaridades sul e norte; é pensado que seja entre três ou quatro meses, e é considerado um enorme evento astronômico.

Esse evento astronômico, é um ciclo que acontece a cada 11 anos no Sol, e está na metade do caminho, no nosso astro rei, a outra metade ainda está por vir.

Então essas mudanças de polaridades, ocorrem a cada final do ciclo, é quando o dínamo magnético interno do Sol se reorganiza. No período dessa fase, os cientistas chamam de máximo solar, onde as erupções de energia estão a pico, e podem atingir e aumentar os raios cósmicos e o nosso planeta.

O raios cósmicos, são  partículas de alta energia aceleradas na velocidade quase da luz, geradas por explosões de supernovas e outros eventos violentos na galáxia. E os raios cósmicos, sendo atingidos e aumentados, podem trazer sérios problemas para os astronautas e sondas espacias  que estão no espaço, e também mexer com o Sistema Solar.

Na Terra, pode ocasionar o aumento dos raios ultravioleta, que chegam ao nosso planeta, pode haver interferência no nosso clima (segundo alguns especialistas) e também poderá atingir os sistemas de comunicações.

"Esta mudança terá efeito cascata em todo o Sistema Solar", falou o físico solar Todd Hoeksema, da Universidade de Stanford, na Califórnia (EUA).

O Observatório  Solar Wilcox, de Stanford (EUA), é um dos poucos observatórios do mundo, que observa e monitora campos magnéticos polares do Sol, e desde no ano de 1976, eles observaram três ciclos de inversões polares, e em um futuro próximo, haverá uma quarta inversão polar, assim é acreditado.
Fonte:
http://www.nasa.gov
http://www.jornalpreliminar.com.br
http://www.terra.com.br
https://translate.google.com.br

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Hubble em 2018 será substituído...

No mês de outubro de 2018, está previsto que o James Webb Space Telescope (JWST), em inglês, Telescópio Espacial James Webb, em português, irá substituir o Telescópio Espacial Hubble.

O JWST, é um projeto em conjunto entre a Agência Espacial Americana  (Nasa), a Agência Espacial Européia (ESA) e a Agência Espacial Canadense (CSA).

O telescópio possui um comprimento geral de 24 metros e 12 de altura, um espelho 6,5 metros de diâmetro e quatro instrumentos científicos potencializados de última geração, para observações em infravermelho, e esses possantes detectores de infravermelho, serão aptos à captar sete vezes mais luz do que o Hubble.

A missão do JWST:

Detectar as primeiras galáxias do universo resultante da explosão do Big Bang (Através do infravermelho), realizando assim observações destas galáxias, na evolução no decorrer do tempo cósmico, testemunhando ao nascimento de novas estrelas e dos seus sistemas planetários, analisando planetas no nosso Sistema Solar e  também imagens de planetas orbitando outras estrelas.

Esse telescópio era para já ter sido lançado no ano de 2013, e por questão financeira, foi adiado para 2018.

Após o JWST ser lançado no espaço, o seu posicionamento deverá ser de aproximadamente 1.5 milhões/km (0.9 milhões/mi) de distância da Terra, nessa posição ele ficará quatro vezes mais afastado do que o nosso satélite natural, a Lua.

O Telescópio Espacial James Webb, será um ganho para todos os cientistas no campo da astrofísica, pois ele será 100 vezes mais potente que o telescópio Hubble, que foi lançado no ano de 1990, e fez descobertas incrivelmente importantes, sendo uma delas, a descoberta da energia escura, pois 70% da energia do universo, antes do Hubble, era desconhecida.

Fonte:
http://www.esa.int
http://www.abril.com.br
http://www.uol.com.br
https://translate.google.com.br

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Planeta Wolf 1061c: mais um candidato a ser um planeta habitável...

Cientistas australianos, descobriram um planeta próximo da Terra, possivelmente habitável.

O planeta foi denominado de Wolf 1061c, está à uma distância em relação a Terra, a cerca de apenas 14 anos-luz, ou seja, uma longitude de 126 trilhões/km (78 trilhões/mi) da Terra.

Esse planeta recém-descoberto, está localizado na constelação de Ophiuchus (13ª constelação), e orbita uma estrela anã vermelha conhecida como Wolf 1061, e ao lado de dois outros planetas; os três planetas, são supostamente rochosos, como o planeta Marte.

O astrônomo e pesquisador que liderou a equipe nesta descoberta, Duncan Wrightda, da Universidade de New South Wales - UNSW (Universidade de Nova Gales do Sul), em Kensington, na Austrália, disse, "O planeta do meio, Wolf 1061c, fica dentro da "zona Cachinhos Dourados" (referência a história infantil da menina e os três ursos), onde pode haver possivelmente água líquida e talvez, até mesmo vida pode existir ".

Desse três planetas, o que está mais próximo a estrela anã vermelha, é muito quente, e o que está mais distante, é muito frio, mas o Wolf 1061c, é pensado que possui condições básicas pra ser habitável.

A estrela anã vermelha, a Wolf 1061, é uma estrela é muito mais fria do que o nosso astro rei, o Sol, pois possui uma temperatura de superfície de aproximadamente 3.300 Kelvin, já o nosso Sol, a temperatura de sua superfície chega normalmente a 5.800 Kelvin.

"Esta descoberta é especialmente emocionante, porque a estrela é extremamente calma, a maioria das anãs vermelhas são muito ativas, dando explosões de raios-X e super flares, que significa a ruína para qualquer vida, dada a zona habitável, que é tão perto para essas estrelas.", explicou o astrônomo Duncan Wrightda, para o jornalista Stuart Gary da ABC News.

E o planeta Wolf 1061c, em comparação com o nosso planeta, possui uma massa cerca de 4,3 vezes maior que a Terra, e a cada 18 dias, orbita sua estrela à uma distância em aproximadamente 10% órbita do Sol em relação a Terra, se ele estivesse em nosso Sistema Solar, Wolf 1061c, seria muito quente para haver vida.

"Um lado vai ser sempre voltado para sua estrela. Isto muda as circunstâncias sobre a superfície do planeta substancialmente", falou dos pesquisadores da equipe, Marcus Strom para o The Sydney Morning Herald (um principal jornal da Australia); e acrescentou, "Você tem um lado muito quente e um lado muito legal."

Duncan Wrightda e sua equipe, utilizaram de modelagem atmosférica para perceber que o calor que sai do lado quente, provavelmente circula para o lado frio, por causa dos ventos muito fortes que se movimentam entre os dois lados.

Os pesquisadores, usaram o telescópio do Observatório Europeu do Sul, em La Silla, no Chile, no decorrer da últimas décadas, e para localizarem o Wolf 1061c, utilizaram dos dados coletados pelo espectrógrafo HARPS (uma alta resolução do espectrógrafo alimentados com fibra, dedicado à descoberta de planetas extra-solares).

A equipe vai continuar a estudar e colher dados dos três planetas que circundam a Wolf 1061, coletando maiores informações sobre o trânsito deles em frente da sua estrela.

"A proximidade dos planetas ao redor da Wolf 1061, significa que há uma boa chance desses planetas poderem passar em toda a face da estrela", falou, Rob Wittenmyer, outro pesquisador da equipe.

Marcus Strom, completou: "Se conseguir isso, então pode ser possível estudar a atmosfera desses planetas no futuro para ver se eles seriam propícios à vida."

Essa descoberta, foi publicada na revista The Astrophysical Journal Letters, em 17/12/2015.

Fonte:
http://g1.globo.com
http://www.eso.org
http://www.sciencealert.com
http://noticias.uol.com.br
https://translate.google.com.br

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Rio Piracicaba...

É um dos mais importantes rios do estado de São Paulo (Brasil) que tem sua origem de dois rios, o rio Atibaia e o rio Jaguari, na cidade de Americana, no estado de São Paulo (Brasil).

Depois que ele cruza, a cidade de Piracicaba, acolhe as águas do rio Corumbataí, que é o seu maior afluente.


O rio Piracicaba faz um trajeto de 115 km (71 milhas), de onde é gerado e vai  desaguar no rio Tietê, entre as cidades de Santa Maria da Serra e Barra Bonita.

Ele é responsável por desaguar no rio Tietê, um volume de água enorme, ou seja, ele é o maior afluente do rio Tietê, sendo também responsável em abastecer importantes cidades do estado de São Paulo, devido a sua localização estar em uma região bem extensa do estado, as cidades são: Bragança Paulista, Campinas, Limeira, Americana, Atibaia, Rio Claro, Santa Bárbara d'Oeste e Piracicaba.


A cidade de Piracicaba, leva esse nome, por ter se desenvolvido nas margens do rio. E o turismo na cidade é bem intenso, devido ao rio que lá atravessa. (ver vídeo logo abaixo).

*Vídeo e imagens, todos foram feitos na cidade de Piracicaba.

Fonte:
https://pt.wikipedia.org
https://www.youtube.com

domingo, 3 de janeiro de 2016

Tremores na cidade de Londrina sem definição...

Desde o começo do mês de dezembro de 2015, moradores da cidade de Londrina, que fica no norte do estado do Paraná (Brasil), começaram a sentir tremores de terra.


No dia 14 de dezembro de 2015, por volta das 6h16 (horário local) o tremor foi registrado pelo Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), e segundo eles, houve um abalo sísmico de 1.8 de magnitude da escala Richter, ou seja, um terremoto de baixa intensidade.



Neste domingo, dia 03 de janeiro de 2016, pela manhã, os moradores voltaram a sentir tremores, mas com menor intensidade, diferente do dia 01 de janeiro de 2016, que foram sentido 19 tremores, causando danos em móveis e rachaduras nas residências.



Nenhum órgão público ou instituição, ainda não souberam responder para a população o que está ocasionando esses tremores.

Moradores da cidade de Londrina, acreditam que os tremores e explosões embaixo da terra, possam ser uma obra de saneamento de uma empresa que está prestando serviço na cidade, mas a empresa nega qualquer problema, mas marcaram uma reunião com os moradores, para terça feira dia 05 de janeiro de 2015 no período da noite, para esclareceram dúvidas.

O setor de geofísica da Universidade Estadual de Londrina UEL, instalaram sensores nos bairros atingidos, para tentar desvendar porque está ocorrendo esses tremores.

Fonte:
http://g1.globo.com
http://cbn.globoradio.globo.com